quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Edições Inusitadas da Bíblia I: Edição NTLH com Deuterocanônicos (Apócrifos)


Por Guilherme Parizio

Estava editando uns álbuns aqui no face e vi a foto dessa minha bíblia. Fui à estante e comecei a manusear a mesma.  Resolvi  então colocar em prática o projeto que tive em mente no dia em que a adquiri: escrever uma pequena resenha sobre ela . Aqui vai. É um pequeno esboço.

Um fato inusitado: esta bíblia é uma coedição da SBB com as Edições Paulinas. É uma edição da NTLH acrescentada com os deuterocanônicos (apócrifos, como nós protestantes costumamos nomear).  O texto canônico é de autoria e responsabilidade da SBB. Os deuterocanônicos (Tobias, Judite adições a Ester, 1 e 2 Macabeus, Sabedoria, Eclesiástico, Baruque e adições a Daniel) da SBU, Sociedade Bíblica Unida. Analisando a introdução, pude perceber que estes últimos (os deuterocanônicos) também são considerados NTLH, não obstante a tradução ter sido traduzida por outra entidade que não a SBB. Os editores afirmam que “tradutores da SBU e peritos católicos, designados pela CNBB, trabalharam esmeradamente na revisão dos livros deuterocanônicos” (do prefácio, grifo acrescentado). Essa parceria não é novidade, pois já nos anos 80 a SBB e a CNBB já haviam consolidado uma parceria ao publicarem uma edição catequética do novo testamento na antiga tradução TLH, precursora da atual NTLH. A bíblia completa só saiu a lume em 2005. A demora se deu exatamente por não haver uma tradução dos deuterocanônicos em linguagem popular. Em 1990 foi lançada a “Edição Pastoral”, mas dessa vez sob a tutela única da Igreja Católica, por intermédio da Paulus. Não havia sentido de se publicar um texto do A.T. faltando uma parte importante da escritura, no entendimento católico.  Seria como publicar uma bíblia mutilada. Algo como um novo testamento sem as epistolas gerais ou sem algumas cartas de Paulo. Também não faria sentido publicar uma edição com uma parte do texto em TLH e outra parte em, digamos, tradução do padre Matos Soares. Agora esse problema está resolvido: com essa bíblia o esforço ecumênico e pastoral latino-americano ganha um pouco mais de fôlego. Não sem, claro, resistência por parte dos mais conservadores. Uma pequena polêmica se levantou na época do lançamento, que foi rapidamente esquecida. Na verdade, não tenho dificuldade em usar essa bíblia e em indica-la para um amigo. Acho que toda tradução honesta da Bíblia é válida. Se essa vem com os apócrifos considero um “bônus”. Sei que no mundo acadêmico e da erudição bíblica não há barreiras denominacionais.  Eu de cá adquiri o meu exemplar a algum tempo. Agora daí a endossar o conteúdo desses livros é um abismo colossal.  Mas isso é assunto para outro post.

Um comentário:

  1. Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
    reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho,
    Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns,
    decerto que virei aqui mais vezes.
    Sou António Batalha.
    Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
    PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar
    siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.
    http://peregrinoeservoantoniobatalha.blogspot.pt/

    ResponderExcluir